20 novembro 2008

Gosto não se discute, mas se estuda!

Por que algumas pessoas gostam de uma comida, enquanto que outras acham horrível?

Isso me intrigou pela primeira vez quando eu era bem pequena: será que quando duas pessoas comem uma mesma coisa elas sentem o mesmo gosto, mas uma acha bom e a outra não? Ou será que elas sentem sensações diferentes, talvez por diferenças em como o cérebro interpreta aquele sabor? Há uns 30 anos tento imaginar um teste para distinguir entre essas hipóteses, sem sucesso. Idéias são bem vindas!


Eis que ouço esta semana, no meu podcast favorito The naked scientists, uma possível resposta. Christian Starkenmann e seus colegas da Firmenich, uma empresa suíça de sabor (o que será isso?) estavam tentando descobrir de onde vinha o gosto que surge na boca depois que se toma um gole de vinho Sauvignon. Parece que o segredo está na bactéria Fusobacterium nucleatum (tirei a foto daqui), que vive na boca e quebra umas moléculas que as nossas enzimas não quebram.

A turma do podcast especulou, não sei se com alguma base, que bactérias podem ser o motivo pelo qual sentimos gostos diferentes. Teria aí um componente herdado - as bactérias que herdamos da mãe desde que nascemos - e outro da experiência de cada um. Não sei se é verdade, mas é uma possibilidade de teste para a pergunta que me atormenta.

Não tem aí nenhum microbiologista a fim de fazer esse estudo? Depois não deixe de me avisar!!!


P.S. Falando em como as bactérias comensais são mais importantes do que se imagina, adorei esse estudo que divulgamos na Pesquisa Fapesp, mostra a importância da microbiota para desenvolver o sistema imunológico.

1 comentário:

Clarissa disse...

Olá, Maria. Essa bactéria é então a responsável em nos fazer degustar os aromas e sabores do Sauvignon, que são comparados ao cassis, framboesa preta, ameixa e cereja escura, além de ervas secas e verdes. Tudo isso em apenas uma taça de vinho...Abraços