17 agosto 2008

Sem pernas

A foto ao lado é de uma cena triste da corrida dos 3 mil metros com barreiras, hoje nas olimpíadas de Pequim. No final da prova a espanhola Marta Domínguez deu um pique muito forte em busca do pódio mas acabou tropeçando numa barreira. Um mico olímpico, segundo o site globo esporte (onde achei a foto rotulada).

O que me impressionou foi que, quando ela tentou se levantar, as pernas não obedeciam. Mesmo com ajuda, num primeiro momento ela não tinha como ficar de pé e caminhar. E não parecia cansaço, os músculos simplesmente pareciam contrair e relaxar independente da vontade da atleta.

Não tenho como saber se foi o caso, mas me lembrou a matéria que escrevi para a edição de agosto (agora nas bancas) da Pesquisa Fapesp. Se trata da pesquisa do pneumologista da Unifesp Alberto Neder, que vem mostrando o que acontece quando pulmões e pernas competem por oxigênio.

2 comentários:

Karl disse...

Eu concordo, Maria. Acho que o grau de fadiga muscular era tão alto que o paciente (no caso, atleta) perde a coordenação . Pode haver fasciculação muscular e impossibilidade de executar certos movimentos. É um efeito parecido com o efeito do curare, o veneno utilizado para paralizar animais.

Isis disse...

Deve ser isso mesmo, fadiga muscular somada a ansiedade. Mas não um mico. Mico é não conseguir ir para as olimpíadas e se achar o mais capaz.