14 julho 2006

A importância do ensino

A estrela de hoje da revista Science é o artigo sobre evolução observada em tempo real nos tentilhões de Galápagos, famosos por sua relevância para que Charles Darwin chegasse à sua teoria da evolução. Vale comentar o artigo, mas fica para depois.

Quero mesmo é falar sobre outro artigo no mesmo número da revista: "Teaching in wild meerkats", de Alex Thornton e Katherine McAuliffe.

As suricatas (Suricata suricatta) estão entre meus animais favoritos, então não chega a ser uma escolha isenta. Elas vivem na África, em grupos de 2 a 40 indivíduos, dos quais um casal é responsável pelo grosso da reprodução. Em termos evolutivos, quem não tem filhotes inexiste. Então, como é possível que esses bichos todos fiquem ali, dando uma de babá, sem ganhar seu pão evolutivo?

É essa pergunta que faz com que muita gente estude as suricatas. Já estive muito a par do conhecimento sobre elas, mas isso já faz alguns anos. Esqueci parte e não sei das últimas atualizações. Mas algumas vantagens podem tornar essa situação viável, até mesmo obrigatória. Pode ser que jovens que partam de um grupo para constituir família por conta própria simplesmente não tenham chance de sobrevivência. Ou que os filhotes só sobrevivam se tiverem babás constantes, o que requer um grupo social numeroso e abnegado. Se não me engano, são esses os fatores que mais contribuem para a permanência desses grupos. E elas caçam em grupo. Saem correndo com seus focinhos perto do chão e vão abocanhando qualquer invertebrado que tenha o azar de estar de passagem. Ou pequeno vertebrado também, mas isso é mais raro.

Enfim, tudo isso é preâmbulo para mostrar que barato são as suricatas. O artigo que saiu hoje reforça isso ainda mais: as babás ensinam os filhotes a caçar. Elas trazem as presas - mortas, vivas ou semi-vivas - e entregam para o filhote comer. À medida em que o filhote cresce, passa a receber presas mais e mais vivas. Mas o ensino tem suas sofisticações. Para evitar acidentes com escorpiões, item alimentar comum, as babás suricatas arrancam o ferrão antes de entregá-los (vivos) aos filhotes. E estes só se aventuram a traçar sua presa se o professor estiver ao lado. Parece que esse treinamento é essencial para que essas suricatinhas virem boas caçadoras.

Pois é, ensino não é essencial só para nós. E bons professores são uma preciosidade. Parece que até entre formigas é o caso, como comentou Caio de Gaia. Ah, e falando em professores, remeto também ao Pítáculos em ciências.

P.S. Mais sobre suricatas no Cais de Gaia.

14 comentários:

Silvia Cléa disse...

Puxa, Maria! Mais uma vez, brigadinha pela citação...parece que, realmente, estamos criando uma super-rede de citações de blogs-científicos! ;)))
Parabpens pelo texto! Sabe o que ele me lembrou? Aquele texto sobre a origem da nomenclatura...bem que vc poderia fazer uma matéria sobre isso, hein? Acho que a maioria desconhece a riqueza que há por trás dessas palavrinhas em latim...

João Carlos disse...

Se não me engano, as alcatéias também têm esse sistema reprodutivo: só o casal "alfa" tem direito à progenia. Os demais lobos são "babás comunitárias" (eu criei cachorros Huskies e o sistema é exatamente assim).

Maria Guimarães disse...

silvia, qual é o artigo sobre a nomenclatura? acho isso fascinante.

joão, fui conferir e você tem razão - os lobos têm o mesmo sistema. não sabia que os huskies também!

Suzana Couto disse...

adorei o artigo das suricatas. elas são realmente o máximo e o detalhe do escorpião desgarrado é incrível!
como sempre, adoro seus artigos. queria ter mais tempo pra bisbilhotar os blogues durante a semana, mas infelizmente fica tudo pro sábado!
gostei também muito do artigo das tartarugas-de-bolson. tenho uma queda por tartaruga!

Daniel Doro Ferrante disse...

Oi Maria,

De verdade eu vim pra cá por causa do post do "Homem-Urso"... mas, como hoje é sábado, foi dormir às ~04:00h, fui acordado às 08:30h (minha avó ligou pra mandar um beijo ;-), e aidna estou "riding on yesterday's high", quando eu descobri que o safado do "discriminante" duma equação (aquele "Delta" da Fórmula de Báskara pras Equações de 2º grau) tem conexões com uma área da matemática chamada "Teoria das Ramificações", que tem TUDO a ver com a minha pesquisa atual (aonde o dito cujo do Delta aparece numa posição bem estratégica e determina completamente as possíveis respostas; eu só não conhecia essa relação com Teoria dos Números)!

Agora, o mais patético de tudo isso é que o "high" se refere a um progresso na pesquisa... uma descoberta matemática! É punk...

Mas, sempre tem o KibeLoco pra divertir... e informar também: Vcs sabiam que tanto o Leonardo (cantor) quanto o Paulo Ricardo (ex-RPM) serão candidatos nas próximas eleições?! Pois é... nem dá pra comentar... :-(

Anyway, tudo isso de comentário só pra dizer (novamente) que o João tem razão: Eu tive um Husky e eles agem assim mesmo. É absolutamente fantástica a semelhança de comportamento com lobos.

E, já que a Suzana levantou a bola: Também tenho uma queda por tartarugas. Aliás, não sei quem veio primeiro: As Tartarugas Ninja ou a minha queda! 8-D Tanto que eu até trouxe do Brasil uma 'companhia' pra mim... ;-)

[]'s!

Suzana Couto disse...

Daniel,
também quero esse "determinante" que você tomou! :) menino, você está fora de controle! não entendi bolhufas do que você disse mas tá valendo! kibeloco? que é isso? acho que você está OD em determinante.
Escuta, o que é que trouxe do Brasil?? uma tartaruga, um ninja ou um vídeo game???
cruzes!
mas vou te dizer que um dos melhores prazeres da vida é ser acordado por avó querida. ai, delícia ter família, mesmo que longe!
bom sábado!

Maria Guimarães disse...

os matemáticos e afins têm drogas estranhas dentro de si... deve ser legal.

Silvia Cléa disse...

OI, Maria!

Aiaiaiaiaia...vc me pede cada coisa! Jura mesmo que vc vai me fazer remexer naqueles textos todos novamente para achar qual é??? Tá bom...vou tentar arranjar um tempinho no findi para ver se encontro...;)))

Daniel!

Que maravilha! Eu quero, muuuito! Vou te confessar um quase não-segredo: minha mente é quase toda números! Portanto, vc está absolutamente intimado a me mandar esse tal trabalho, envolvendo o delta da Báskara, a qual vc se referiu, que se aplica totalmente à materia da Maria...pode ser??? ;))

Maria!

Acho que aquilo que vc falou sobre as nossas mentes foi um elogio, não? hehehehehhehe

Suzana!

Não dê tanta importância ao sentido particular das palavras, qdo a gente pensa rápido, o interlocutor tem que tentar o conjunto, entende??? É uma questão de "timing", ou de piadas seqüenciais...;))))
(brincadeirinha)

bjos a todos

Maria Guimarães disse...

foi um elogio. e um fascínio. já vi a tal droga em ação nos olhos de um matemático, algo que escapa à minha compreensão.

Silvia Cléa disse...

Oi, Maria!

(ufa! que alívio..;)))
Lá vai o artigo...."De Lineo a Darwin: los viajeros naturalistas" de Jean-Marc Drouin, in Historia de las Ciencias, Michel Serres (ed), acho que dá para achar assim, né?

Maria Guimarães disse...

ah, eu lembro desse artigo. vou olhar de novo.
beijo.

Daniel Doro Ferrante disse...

Oi Pessoal,

Bom, vamos por partes:

Suzana: Kibeloco.com é um site humorístico. Dá uma olhada e depois me fala o que vc achou... ;-) Agora, do Brasil eu trouxe uma tartaruga que em inglês chamam de "red slider". :-) E vc vai me dizer que nunca assistiu às Tartarugas Ninja?!!! Como diz um amigo meu: "Como é que vive?!" 8-D (Se vc ainda estiver interessada, vc também pode dar uma olhada aqui, ó: Wikipedia - Teenage Mutant Ninja Turtles. :-) E estou de pleníssimo acordo com vc: "Ser acordado, ainda mais pela vó, é uma das melhores coisas que existe! Só vó consegue ser mais doce que mãe..." :-)

Maria: Se é droga é das mais 'clean' que eu conheço, porque dá barato só de ler! 8-D Tem um amigo meu (o mesmo da citação acima da Suzana) que diz: "Daniel is high on life!" E acho que é verdade: Que coisa é melhor do que a própria vida pra te dar 'barato'?!!! Dúvido... e, mais ainda, tenho a pachorra de discutir e provar essa afirmação. ;-)

Silvia: (é sem acento mesmo?) Na verdade, essa 'bagaça' que eu estava falando no comentário acima não tem nada a ver com a matéria da Maria... é sobre a minha pesquisa mesmo. Sexta-feira eu tive um "momento epifania" e não consegui mais me segurar... fiquei até com dó dos meus amigos, até porque jogar basquete assim não é muito saudável pra quem está em volta. ;-) Mas, como eu estou com a impressão de que vc ficou curiosa (por que será que eu ficaria com essa impressão?! ;-) deixa eu ver se consigo digerir o ocorrido.

Eu trabalho com Teoria Quântica de Campos, aliás, eu sou físico teórico, então trabalho com as implicações teóricas da dita cuja da teoria e não com suas expressões experimentais. Em particular, um problema que me come vivo há tempos é o da Gravitação Quântica. Bom, isso posto, eu estou trabalhando num ingrediente delicado da Gravitação Quântica: as Transições Topológicas. Ou seja, da mesma forma que a água pode ser encontrada em 3 fases diferentes (gás, líquido, sólido), o espaço-tempo, quando quantizado, também deverá 'undergoes' transições de fase, ie, vc pode começar (no Big Bang) com um espaço-tempo que seja uma bola, uma esfera, e, depois de um tempo, ele "trocar de fase" e virar um torus (uma rosquinha, tipo de um bambolê) ou uma Faixa de Möbius ou uma Garrafa de Klein.

Porém, pra que isso aconteça é preciso que extrapolemos a nossa noção de "dinâmica". Atualmente, aquilo que a gente entende como "dinâmica", movimento, é dado por derivadas e equações diferenciais, ie, é algo que depende da "estrutura diferencial", da "continuidade", do problema em questão. No caso da "transição topológica" é preciso que elevemos essa noção, de modo a promovê-la para uma relação com a "topologia diferencial" do espaço[-tempo] em questão. Até hoje, nenhuma das possíveis tentativas de teorias da gravitação quântica que existem por aí afora atacaram esse problema com propriedade e robustez.

É aqui que entra o meu trabalho: Eu descobri um jeito diferente de se atacar o problema da quantização dum campo usando-se umas técnicas geométricas que, basicamente, transformam o problema original num problema geométrico (aonde vc não precisa mais saber da física que está por trás, vc apenas precisa aplicar uma receitinha de bolo que a resposta sai direitinho). Então, dessa forma nova, vc obtém direto da sua teoria TODAS as possíveis fases que ela pode ter! :-)

Falando assim, nem parece muita coisa... mas, o fato é que até hoje é impossível se olhar pra uma Teoria Quântica e dizer quais são todas as possíveis fases em que essa teoria pode existir. Ou seja, se eu te dessa a fórmula da água, vc saberia me dizer (só olhando pra equação) quais são todas as fases que aquele conjunto de moléculas pode se encontrar?

O que eu fiz foi, num certo sentido, responder essa questão: Vc me dá uma "Energia Potencial" que eu te devolvo as diversas fases em que vc pode encontrar essa "coisa".

O truque pra fazer isso foi essa conversão do problema numa forma geométrica: O que eu faço é calcular as diversas "formas" possíveis do objeto em questão. Muito "loosely speaking" é como se eu estivesse calculando a "forma" do átomo (de verdade eu estou calculando a "forma" do campo quântico que vai dar origem a uma derminada partícula).

"Long story short", o que acontece no final das coisas é que tudo passa a depender duma Integral Elíptica dum polinômio da Energia Potencial. E é aqui que entra o tal do Discriminante (veja também: Polynomial Discriminant), o Delta de Báskara: Com base nele a tal da Integral Elíptica pode ter resultados completamente distintos... e cada resultado desse é uma fase diferente! 8-)

Até aí... tudo bem. A epifania veio quando eu me toquei que os discriminantes têm uma relação profunda com outra área da matemática, conhecida como Teoria Algébrica dos Números, em particular com a parte dessa teoria que lida com Ramificações. Ou seja, em matemática (via o raciocínio acima) o discriminante (o Delta de Báskara) é uma medida (e um fator de classificação) das ramificações das soluções de equações! E, portanto, dessa forma eu sou capaz de ligar as diferentes fases à diferentes soluções das equações para o campo quântico em questão e, mais ainda, conecto a Teoria Quântica de Campos com a Teoria dos Números em matemática! E, agora, é possível se atacar os problemas descritos em symmetry-breaking, phase transitions and number theory duma forma completamente nova e diferente! 8-)

Foi aí que eu não aguentei mais e explodi! :-)

Mas, fora isso, vc também tem que levar em consideração que eu estou me mudando novamente (em 5 semanas), pois estavam reformando o alarme de incêndio da minha casa (então me chutaram pra fora e agora estão me pondo de volta no lugar), amanhã começo a dar 3 semanas de aulas (todo dia das 09:00h às 12:00h) pra uma molecada do colegial, minha mãe chega sábado que vem, meu amigo está casando... 8-D

Ufa... acho que é isso! Meio "turbilhão"... :-)

Então... agora eu deixo vcs em paz... porque tenho que acabar de arrumar minhas coisas pra poder voltar pra minha casinha.

[]'s!

Silvia Cléa disse...

Oi, Daniel!

Delirei! ;))))
Para não ficar ocupando muito o espaço aqui e ficar tão fora do assunto...vou dar uma olhadinha nos links que vc indicou, pois minha cabeça já viajou em outras coisas...depois vou lá no seu blog comentar, ok?
[]s,
Ah! é sem acento mesmo...

Anónimo disse...

ain eu queru saber quel a importância dos numeros na matemática??